10/09/2017

RESENHA #55 - ”EM TU (SIASMO)” (LITERATURA NACIONAL) - LUCIANA TEIXEIRA STECCHINI

LIVRO:”EM TU (SIASMO)” (LITERATURA NACIONAL)
AUTORA: LUCIANA TEIXEIRA STECCHINI
EDITORA: LETRAMENTO
PÁGINAS – 300
1ª  EDIÇÃO 2016
CATEGORIA: BIOGRAFIA
ASSUNTO: ROMANCE FAMILIAR
ISBN: - 978-85-68275-67-2


emtusiasmosite


CITAÇÃO:

“Quem morre jovem congela no tempo.” (pág. 43)

“Ele nunca se importou com aparências e etiquetas. Nunca teve luxo com roupas ou carros.[...]” (pág. 44)

“[...]Inevitavelmente, me pego imaginando como seria se ele estivesse aqui, a cara de espanto do meu irmão ao saber que hoje passamos “bilhetinhos” que chegam instantaneamente aos computadores e celulares do outro lado do mundo, e que todas as nossas dúvidas de escola a gente tira num tal de Google. De lá, só não sanamos as dúvidas relacionadas à Vida ou à Morte. Estas a gente vai tentando silenciá0las com o tempo, sem jamais sonseguirmos decifrá-las.” (pág. 49)

ANÁLISE TÉCNICA:


 -CAPA-

Porta retratos com foto do patriarca da família TEIXEIRA, FUNDO TODO MARROM.
Como o livro é uma biografia, a capa é perfeita.
Feita por João Gabriel Moreira.

NOTA: 5,00 DE 5,00


-DIAGRAMAÇÃO:

Folhas amareladas com letras brancas na média, facilitam a leitura.

Nenhum texto alternativo automático disponível.
 Nenhum texto alternativo automático disponível.

Conteúdo: pensamento; dedicatória; agradecimento; prefácio (de Roxana Maria Filetti); nota da prefaciadora; índice; índice de citações; introdução; são vinte e sete capítulos com títulos que estão em página única com fundo cinza; nos inícios dos capítulos, citações feitas em pequenos papéis bilhetes; um resumão da coisa toda; e, fotos.

A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sorrindo
 A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas, criança e área interna

Projeto gráfico e diagramação: João Gabriel Moreira – Estúdio de Criação/estudiodc.com.br

NOTA: 5,00 DE 5,00


- ESCRITA:

É uma narrativa descritiva/explicativa em primeira pessoa pela autora, carregada de sentimentos e verdades pessoais. Envolvente, tem um certo tom hilário em certos momentos, narrativa intensa e um tanto triste em decorrência dos acontecimentos. E apesar da autora dizer que não é escritora, tem uma forma romanceada e poética de fazer seus relatos que torna a escrita ainda mais encantadora.

Revisão: Rita Lopes Teixeira.

NOTA: 5,00 DE 5,00


CITAÇÃO:

“[...] ’...Apesar de todo o dilaceramento, solidão e lágrimas, a morte tem um poder limitado: seu dedo cruel e ossudo não consegue encontrar a tecla com que deletar nossos melhores afetos.’(Lya Luft).” (pág.53/54)

“[...] Dizem que a adolescência foi ‘inventada’ com o propósito de preparar os filhos apegados aos pais (ou pai apegados aos filhos) para o inevitável momento de separação, quando chega a hora de abandonar o ninho, de ganhar asas e alçar novos voos. [...]”. (pág. 72)

“[...] Nada consegue apagar o amor que recebemos ou que doamos, e somente este amor dilui as mágoas dos dias ruins.[...]” (pág. 76)

SINOPSE:

“História de um fôlego só! De como o desencadear de tragédias num mesmo grupo pode se tornar componente fundamental para se firmar a fé em corações destroçados.
Por ser fruto da mente fértil de uma menina assustada, poderia ter sido concebida com o propósito de fazer chorar até as entranhas. E, por ser espirituosa a tal menina, poderia, também, fazer rir aos chacoalhões (emoções estas garantidas na leitura de EM TU (siasmo)).
Mas, não! É um romance biográfico sem nenhum traço de ficção, a narrativa retrata a mais pura e crua e dolorosa verdade. Assim como há, nele, outras verdades que nos (re)animam enquanto lemos: o amor, a graça, a folia, os aromas, a fartura, a determinação, a irmandade, a generosidade, a esperança.
Se você, leitor, rejeita emoções que fluem autônomas, independentes de seu consentimento, procure outras categorias literárias, outros escritores cujos estilos você bem conhece, não se arrisque.
Porém, se agora ficou curioso, e, de birra, quer desafiar-se, embrenhe-se nesta mata; só mesmo as cerca de 75.000 palavras usadas por Luciana Teixeira Stecchini para narrar sua história familiar desvendarão o segredo, ou abrirão a clareira.
Essa moça, arquiteta de profissão, filha mais nova do casal protagonista, não imaginava que na segunda década de sua vida começaria a preparação para se tornar uma escritora. Desleixada com estudos, foi registrando as “aulas” como possíveis ensinamentos para usar no futuro, talvez; e duas décadas e meia depois, resolveu arriscar-se a verificar o aprendizado.
Desprovida de técnicas literárias, despida de convenções, desnudando-se, virando-se pelo avesso, desandou a escrever sobre tudo que ouviu, viu, vivenciou, ganhou, perdeu, como membro de uma família numerosa, que começou com aqueles dois apaixonados que não vislumbravam o que lhes reservava o destino – seus pais, Gilberto e Inês.
Uma história em que a Morte tem nome próprio, mas a Vida termina vencedora.
Entusiasme-se! Os sentimentos que se apossarem de você durante a leitura serão fagulhas, perto do que essa gente passou. Uma gente íntegra, hoje alguns no céu, e outros na terra. Sobreviventes. Superviventes. Superlativos – na alegria, na dor e na coragem.
EM TU (siasmo).”

CITAÇÃO:

“[...] Este meu amigo, companheiro inseparável, não se importa com promessas sacrificantes, presente luxuosos, igrejas em ouro, palavras repetidas sem atenção. O Meu Deus está no d-EU-s interior de cada pessoa, nos atos e nos pensamentos dos homens de boa vontade. [...]” (pág. 85)

“[...] E, felizes são as que conseguem sentir a reciprocidade gratificante do amor que envolve um olhar entre mãe e filho.” (pág. 104)

“A dor de cada um, tão complexa e íntima. Quando digo íntima quero dizer pessoal, a dor que cada qual tem dentro de si, e ninguém mais consegue mensurar. [...]” (pág. 128)


RESUMO SINÓPTICO:

O livro traz a saga da família Teixeira desde de o casamento de Gilberto (o patriarca) com  Inês (a matriarca) e os sete filhos: Mary Ney, Roberto, Renato, Maria, Giba, Júnior e Luciana (a autora).

Em um relato emocionante, através dos fatos, desilusões, perdas,  imprevistos e muito amor, a obra traz o inesperado que a vida pode trazer, a união familiar carregada de amor que auxilia nos momentos árduos, o sucesso pessoal, os sentimentos arraigados, a surpresa, a felicidade, a nostalgia, o amadurecimento, a surpresa...e a homenagem feita aos que se foram e aos que ficaram, através desse livro único, tanto por sua história verídica, como pela intensidade e variedade de sentimentos expressos que são repassadas através das palavras bem escritas.

(Não me alonguei muito em explicações porque a sinopse está bem completinha)


CITAÇÃO:

“[...] O meu encantamento mora na memória que não escolhe. E na paz de vento brando que ainda sopra por lá.” (155)

“Ser mãe é algo além do ‘dar à luz’, conheço algumas que jamais tiveram uma gestação. Ser mãe é descobrir que o amor nasce e se fortalece mesmo nas noites mal dormidas, e não há palavras que descrevam o afeto que cultivamos por aquela criatura barulhenta. E como choram! [...]” (pág. 167)

“[...]’Xô, erva daninha!’No jardim da minha mãe não existia praga, assim como não haveria mal no mundo se a solução estivesse ao seu alcance.” (pág. 208)


ANÁLISE CRÍTICA E DO AUTORA:

Terminei a leitura desse livro no mês passado e tive de passar alguns dias para colocar em ordem, os sentimentos absorvidos, vividos, sentidos...porque foi um livro que mexeu demais com meus sentimentos, aflorando a sensibilidade já tão à flor da pele e que trouxe memórias passadas com grande intensidade, a lembrança de pessoas queridas que já não estão mais presente em minha vida e o grande amor que sinto pelos que estão ainda nessa caminhada chamada vida. A família é tudo que há de melhor e é disso que se trata o livro.

Já sabem que tenho dificuldade de transcrever em palavras os sentimentos de ler um livro muito bom. Muito bom não: excepcional! Porque esse livro é assim: magnífico, magnânimo, profundo e carregado de amor... Vou tentar.

Para mim uma leitura é mais do que formato, diagramação, tipo de escrita, erros (ou não), enredo, desenvolvimento e conclusão (embora faça essa análise também). Ler para mim é EMOÇÃO! Independente de como é feita, se não houver emoção e não nos conquistar, não é de toda completa. E sem dúvida esse foi o melhor livro que li até agora nesse ano. Foi o livro que mais aflorou sentimentos e diversos, que sorri, que chorei (e como!), que vibrei, que torci, que fez com que me sentisse dentro da própria história.

E por quê? Porque fala de família, de perda, de amor... e do quanto somos vulneráveis a esses sentimentos e o quanto eles são percursores do que somos, do que conquistamos, do que conseguimos suportar e continuar a vida apesar de todos os pesares, pelo simples fato de sabermos que há amor e temos de continuar a roda da vida...

Nossa! Como tantas coisas relatadas ‘coincidiram’ com fatos da minha própria vida: vivemos na mesma época, onde ainda não tínhamos acesso a toda tecnologia, onde éramos criados ‘na rua’ com brincadeiras e tranquilidade, onde cultivávamos o desejo de casar e constituir família ao tempo que queríamos liberdade para vivermos intensamente os desejos e as escolhas profissionais, onde a família era o apoio fundamental para tudo. Irmão mais velho que era melhor amigo e acabou se entregando ao alcoolismo e acaba falecendo por isso... A dor da perda, não apenas do mais querido, mas de outras pessoas na família, tios, pai... O apoio no meu caso, da irmã que ficou e no dela dos outros irmãos, para aguentar essa dor dilacerante (e como ela diz, bem individual). O amor e o apoio do companheiro, se mostrando firme em todos os momentos. Enfim, foram tantas ‘coincidências’ que não tive como não me envolver profundamente...

E o principal: o entendimento de que nada é por acaso, qu tem uma força maior que nos guia e nos faz suportar as dificuldades, que nos mostra o quanto as perdas são necessárias para que valorizemos cada momento, cada instante, cada pessoa com quem convivemos e para nos alertar que, coisas pequenas, mesquinhas, egoístas não fazem sentido, que os sentimentos ‘ruins’ que cultivamos, não devem ser perpetrados. Devemos perdoar a nós mesmos e aos que nos rodeiam. E tocar a vida com amor e crescimento pessoal e espiritual.

Sei que a análise ficou gigante, mas tinha de falar tudo que estava aqui dentro e ainda sei que ficou faltando muito a ser dito, porque são pequenos detalhes que apesar de merecerem relevância, tem de ser deixados sem comentários, para que cada leitor possa ter suas próprias emoções ao ler.

Digo apenas que é uma leitura que vale a pena para todos e principalmente para aqueles que acham que ‘coisas’ acontecem apenas na sua família e não nas outras. É um livro de dor, de perdas, mas também de muito amor e de ‘EM TU (SIASMO)’ pela vida!!


NOTA : 5,00 DE 5,00



CITAÇÃO:

“Não encaro a saudade como um sentimento propriamente triste. Sim, admito que ela dói – dói pela ausência, pela distância e pela impossibilidade de um reencontro -, mas aprendi a aceitar uma presença sem lamentos; afinal, sé sente saudade quem tem bons momentos para lembrar. E, feliz de que os tem. [...]” (pág. 211)

“[...] Que o fracasso, assim como a vitória, é próprio do ser humano, que somos todos falhos, que temos defeitos, que não somos de aço. [...]”. (pág. 214)

“[...] E segundos desperdiçados da sua companhia. Somente eu sei o resultado desta conta e da falta que este tempo me faz ainda hoje.”(pág. 214)


SOBRE A AUTORA:

A imagem pode conter: 1 pessoa

Nasceu em São Joaquim da Barra, em 1970. Há 24 anos trabalha como arquiteta em escritório que leva o seu nome, na cidade de Ribeirão Preto.


CITAÇÃO:

- “Não é fácil assimilar que a Morte não representa uma perda. Mais difícil é entendê-la com um ganho. O que mais me chamou a atenção nesta minha busca por uma reforma íntima foi a possibilidade de podermos inverter as posições e enxergar na passagem dos nossos entes amados não somente a dor, mas, principalmente, a alegria do convívio que tivemos, a gratidão pelos seus ensinamentos, cuidados e amor. Desta forma, conseguimos reconhecer o quanto fomos privilegiados.” (pág. 216)

- [...] Mas, também haverá um lado bom. O otimismo é o exercício diário de fortalecimento da fé. É acreditar que para cada uma das nossas aflições (sejam elas grandes quanto forem) existem sempre dois ângulos, visuais e cada um tem o poder de escolher para qual lado pretende olhar.” (pág. 226)

“[...] Salvar uma vida é a maior herança de amor que se pode deixar.” (pág. 237)


“[...] E o ‘nunca mais’ voltou a frequentar nossas frases. Este é o grande poder que a Morte tem sobre os que ficam, a fragilidade da tristeza. [...]” (pág. 238)

Exemplar cedido pela autora.

Vamos ter sorteio, mas caso queira se antecipar ao prazer da leitura e  adquirir o livro, podem entrar em contato direto com a escritora ou acessar a página da Editora.



CHEIRINHOS
RUDY


24 comentários:

  1. Que livro lindo!!
    Esse tipo de livro me encanta. histórias reais de pessoas reais que passam por dores que nós também sentimos, como a dor da morte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Oi, Gabriele! Agradeço o seu comentário, estou adorando ler postagens de quem não me conhece pessoalmente, são sinceras.
      Um abração!

      Excluir
  2. Que livro lindo!!
    Esse tipo de livro me encanta. histórias reais de pessoas reais que passam por dores que nós também sentimos, como a dor da morte.

    ResponderExcluir
  3. Oi Rudy.
    Que lindo, eu adorei a premissa e o fato de que a autora manda bem escrevendo é ainda melhor, adoro que a autora fala sobre perda e lutas, trazendo assim para leitor, um linda lição, enfim fiquei curiosa para conferir.
    Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Oi, Marlene! Agradeço o seu comentário e fiquei muito feliz com a resenha da Rudy, lisonjeada é o adjetivo mais adequado! ;) Caso queira conferir mais de perto o meu Em Tu siasmo, apareça nos links marcados pela Rudy. Será um prazer! Abração!

      Excluir
  4. Ola Rudy!!
    Nossa esse livro parece ser lindo e rico em sentimentos, livros que fala da família de perdas e conquista me encanta, gostaria muito de ter a oportunidade de ler!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lucia! Fico muito feliz com o seu comentário e mais ainda com o seu interesse pela leitura. Passa lá nos links que a Rudy gentilmente marcou aqui na resenha. Será um prazer recebê-la. Abração.

      Excluir
  5. Não conhecia o livro, mas gostei muito da sua resenha.
    Deu pra ver que é um livro emocionante, com personagens muito próximos de nós, muito vívidos e com erros e defeitos; acertos e sonhos como os de qualquer e todo ser humano.
    Anotado aqui.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana! O livro é um pouco de tudo isto que você descreveu sim. E por tudo isto, confesso que foi bem difícil para mim, que sou personagem da história, escrevê-lo. Agradeço a sua postagem e caso tenha curiosidade de aprofundar-se na leitura, procure pelos links que a Rudy marcou na resenha. Será um prazer recebê-la. Grande abraço.

      Excluir
  6. Pela sua resenha já fiquei interessado. Pelas citações da autora ela foi profundo em tudo que nos move. Ela está sendo modesta ao falar que não é escritora. Quero participar do sorteio, se não ganhar vou querer comprar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Manoel, tudo bem? Adorei o seu comentário, muito obrigada! Sobre ser modesta, vou ser bem sincera, digo que não mereço os méritos de escritora, já que este livro foi ditado pelo destino, somente fui a biógrafa que teve a coragem de transcrevê-lo para o papel. Boa sorte no sorteio! Vou torcer por vc, mas caso não ganhe, terei muito prazer em te enviar um exemplar pelo correio. Abração.

      Excluir
  7. eiiiiiiiiiii Rudinha... mais uma de suas pedradas no coração. adorei a indicação, não conhecia a autora e já fiquei em polvorosa pra ler também. ainda mais por receber 5 em 5. belíssima resenha como sempre, desvendando mais uma preciosidade. bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rodolfo, Rudy foi muito gentil na pontuação, fiquei lisonjeada e agradecida! Agradeço também pela "preciosidade", estou adorando todos estes comentários! É gratificante ler pessoas que se identificam com a nossa história. Muito prazer em conhecê-lo(a). Apareça nos links que a Rudy deixou na resenha. Abração.

      Excluir
  8. Uma brilhante profissional.ja pude comprovar seu talento nao apenas em livro, mas em vários textos que ela eventualmente posta nas redes sociais.
    E tudo de bom e um pouco mais. Rsrs Recomendo muitooo.
    Parabéns Lu e obrigada por nós presentear com seu impecavel trabalho.
    Parabéns Rudy por mais essa linda resenha que sempre nos encanta.bjos e muitos cheirinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acreditem nos comentários que esta lindeza da Vera Lucia faz sobre mim! Ela é minha amiga de infância, portanto completamente suspeita! Hahaha... Verinha, nem sei como te agradecer por tudo que tem feito por mim, acho que te nomear a Em Tu Siasta número 1 seria um começo, então considere-se nomeada! Adoro você e sinto muita saudade da nossa mocidade. Um grande e saudoso abraço desta velha amiga.

      Excluir
  9. Adorei a indicação, gosto bastante de ler biografias e pelo jeito com essa não seria diferente, a história parece ser super emocionante por se tratar de uma família, das perdas, das felicidades, da vida, de tudo, espero poder ler o livro.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Giulianna, estou achando o máximo responder as mensagens de pessoas como vc que se identificaram com a minha história! Eu espero que você consiga ler o livro e que não perca o meu contato, assim você pode, se quiser, me mandar o seu parecer do que leu. Adoraria recebê-lo! Abração.

      Excluir
  10. Olá Rudy!
    Não conhecia a autora, nosso país tem tantos tesouros escondidos! Obrigada pela indicação!
    Participe do Top comentarista do Viaje na Leitura e ganhe prêmios!
    http://www.viajenaleitura.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Thais! Adorei estar entre os "tesouros escondidos" da Rudy! Um privilégio! Espero poder corresponder à altura. Grande abraço.

      Excluir
  11. É muito difícil eu ler livros de biografia.
    Só se for de alguém realmente muito interessante.
    Ótima resenha, Rudy.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Halana! Acho que penso como você, adoro biografias, mas até hoje só li as histórias das celebridades. Obrigada pela sua opinião, muito interessante. Gosto de registrar as preferências dos leitores. Um grande abraço meu e se mudar de idéia, será um prazer recebê-la no meu Em Tu siamo.

      Excluir
  12. Fiquei muito receosa com o título do livro, pois entendo que o correto seria 'em TI'.
    Mas depois de ler a resenha, fiquei tentada na biografia.

    ResponderExcluir

Adoro ler seus comentários, portanto falem o que pensam sem ofensas e assim que puder, retribuirei a visita e/ou responderei aqui seu comentário.
Obrigada!!
cheirinhos
Rudy