terça-feira, 24 de abril de 2012

RESENHA #25 - “A ARTE DA INVISIBILIDADE”-MONÓLOGOS DE UM ESCRITOR RENITENTE (LITERATURA NACIONAL)


LIVRO  : “A ARTE DA INVISIBILIDADE”-MONÓLOGOS DE UM ESCRITOR RENITENTE (LITERATURA NACIONAL)
VOLUME I
AUTOR: ALLAN PITZ
EDITORA  : DRACAENA
PÁGINAS –131
1ª EDIÇÃO 2011
CATEGORIA: FICÇÃO(MISTÉRIO/SUSPENSE/FILOSOFIA)
ISBN: - 978-85-6446-9556

 

CITAÇÃO: “No circo seboso do invisível errante, o elefante é o silêncio esperado que jamais virá, pois a cabeça fala ao invisível desgostoso, cada vez que ele se propõe a ser outra coisa que não seja a fluidez de sua essência invisível. Ele é, desde o ponto inicial, aquilo que sempre será. O que é no âmago de sua essência. E não se mascara plenamente o que somos na essência. Não existe essa possibilidade – não aliada à felicidade. E nem a felicidade total na inteligência total. Há que ser simplório e verdadeiro para conquistar a felicidade total.” (pág. 22)

ANÁLISE TÉCNICA: 

-CAPA = de André Siqueira bem criativa e pertinente ao conteúdo do livro. Chama a atenção por parecer que realmente existe um ser invisível, sufocado pela selva de pedra dos prédios.
(nota:   4,00 de 5,00)

-DIAGRAMAÇÃO: Folhas amareladas com letras pretas mais escuras, quase negrito; ótimo para ler.
Pensamentos entre os capítulos e sem dedicatória. Mas tem um trecho de uma carta escrita para uma amiga.
Apresentação feita por Ademir Pascale (uma referência no assunto da escrita), falando sobre o Allan.
Posologia para ler o livro (tipo uma fórmula de leitura para entendimento) feita por K.J.L (vai saber quem é?)
Com sumário, 13 capítulos e Glossário (interessante!).
Dimensão: 14x21
(nota:  4,50  de 5,00)

- ESCRITA: em 1ª pessoa com o Allan conversando com os leitores durante o livro. É uma escrita irreverente, hilária, reflexiva, corajosa e de certa forma vulgar na medida certa.
(nota: 4,50 de 5,00)


CITAÇÃO: “Devemos manter os olhos bem abertos e vivos, meus amigos, para tentar enxergar além da programação, para observar por dentro toda a questão da unidade, para tentar enxergar as pessoas da forma como realmente são. E como podemos fazer isso? Estando invisíveis! Essa é a melhor maneira de observar as pessoas.[...]” (pág.49) 


RESUMO SINÓPTICO: “Área 51? Matrix? Iluminatis?

A Editora Dracaena resolveu apostar no livro ultra polêmico ‘Pop filosófico’ A Arte da Invisibilidade, do autor carioca Allan Pitz, que realmente promete mexer com imaginário Nerd popular.


O livro não só confirma (dando exemplos cabíveis) a existência de uma ‘matrix ilusória’, criada para nutrir-se de nossa sociedade privada de evolução, mas, também, apresenta formas interessantes de nos tornarmos invisíveis a esta prisão hipnótica.


Para que, por fim, a Terra possa se reunir de uma vez com os representantes intergalácticos de outros povos (interessados em nossa evolução, e prontos para o desembarque em solo terrestre). Uma viagem daquelas!Segundo o autor, a obra suscita aspectos evolutivos decadentes na filosofia humana atual, empurrando as mentes para soluções simples e libertárias.
  Trazendo de volta poderes adormecidos da raça humana.

Tudo isto à base muito vinho tinto e irreverência, já que Pitz se auto intitula PhD em Patavina, e grande nerd orgulhoso da boa geração Atari. Imperdível para quem curte as histórias de conspiração e segredos governamentais.”
 
Fala sobre como se tornar invisível em uma sociedade que pressiona por rotular e por impingir valores desconexos e imperativos. 

É um relato aberto do autor, sobre seu momento de ostracismo e conflito interior, ao tempo que mostra um ‘manual’ de como fugir as regras impostas pela sociedade para brecar o crescimento evolutivo. 


CITAÇÃO: “Os invisíveis são os condenados que ainda conseguem enxergar longe da grade ilusória, enxergam além dessa imensa matrix social programada, além do que exigem da nossa visão cansada, embaçada; além do que  tentam nos anexar a ferro em brasa, ao centro operacional do entendimento confuso.” (pág. 56)


ANÁLISE CRÍTICA E DO AUTOR: Fazer uma análise do escritor e dessa obra em especial é um tanto complicado, pois ao tempo que a irreverência e a forma hilária de escrita torna o livro engraçado, os pensamentos profundos e corretos, tornam a leitura um tanto filosófica e nos põe a refletir, rebater e questionar os pontos de vista expostos de forma espontânea. 

Há um paradoxo e uma ambiguidade, tornando as colocações dúbias, embora inteligente e questionador. É um livro ‘filosófico’ e carregado de expressões chulas e palavrões (o que pode chocar algumas pessoas aparentemente pudicas).

O livro é um ato desbravador e heróico ao relatar o mais íntimo dos sentimentos do escritor, sendo real, sincero e acima de tudo verdadeiro em seus paradigmas, mesmo o livro sendo uma ficção. Pincela diversos assuntos, interessantes ou não, que rondam o cotidiano com humor cáustico.

Sou suspeita para analisar o Allan, já que sou uma fã Pitziana e percebo a verdadeira sensibilidade por trás das ‘patavinas’ que escreve: um ser inteligente, sensível, culto e hilário.

“A culpa é do Bull e do Sartre.”

CITAÇÃO: “O invisível geralmente se pergunta coisas que ninguém entenderia, é um poço de questões e retoques, um baú de observações próprias, sentidos apurados para o vento. O invisível é aquele  que consegue enxergar por meio das máscaras estabelecidas, das engrenagens hipnóticas, da insensatez contida nos rótulos projetados. O invisível sabe quando e onde começa a tal utopia social em grades. Ele é um ser comum, exatamente como tantos outros, porém, sua única diferença é ter conquistado o direito evolutivode pensar o mundo sozinho, o direito de ter a visão própria dos elementos que o cercam. O direito de se ferrer sem muletas, caso queira fazer assim.” (pág. 89)

NOTA: 4,00 de 5,00

 smiley livrosmiley livrosmiley livro smiley livroSmiles - Recados e Imagens (6279)


SOBRE O AUTOR: 

Minha foto

Escritor carioca publicado em diversas Antologias e círculos literários. Um famoso PhD em Patavina. Livros Publicados: A Arte da Invisibilidade (Editora Dracaena) 2011. Estação Jugular - Uma estrada para Van Gogh (Multifoco) 2011. Um Peixe de Calças Jeans (Livro Novo) 2011. The Fish in Blue Jeans (publicado nos EUA) 2011. A Morte do Cozinheiro (Above)2010. Duas Doses e um Bungee Jump (WAF Corpos - Portugal) 2010. Visões Comuns de um Porco Esquartejado (tiragem própria)2010. A Fuga das Amebas Selvagens (Livro Novo) 2009. Alguns feitos importantes: Participação na Bienal do Livro do Rio de Janeiro (2011). Participação na V Semana de Arte e Cultura e Iniciação Científica UCAM - Universidade Cândido Mendes, RJ (Palestra O Jovem Escritor Brasileiro: Sonhos, ilhas e armadilhas). Oficina de textos/ Revista Cult - Conto: A célula da formiga sexual. Publicação em mais de trinta e três Prêmios Literários e Antologias, entre eles o Prêmio Canon de Poesia.


CORTESIA EDITORA DRACAENA.

  EDITORA DRACAENA

cheirinhos
Rudy
MASCOTE BABY CORUJA ALEGRIA! 

Gostou? Clica na tecla g+1 aí em baixo.
  
PS: Comente, seu comentário vale inscrição extra  nos sorteios e faz uma blogueira feliz,  obrigada!
 Comenta - Recados e Imagens (8990)Caixas de Presentes - Recados e Imagens (12691)

Sua sorte do dia (24 de abr)
"Aquele que pergunta é tolo por cinco minutos, mas aquele que não pergunta permanece tolo para sempre"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adoro ler seus comentários, portanto falem o que pensam sem ofensas e assim que puder, retribuirei a visita e/ou responderei aqui seu comentário.
Obrigada!!
cheirinhos
Rudy